sexta-feira, 20 de maio de 2011

O Livro do momento há mais de 10 anos

Conheci a primeira edição de Confissões ao Mar, por indicação de um amigo que o sintetisou dizendo sobre quanto o livro havia lhe emocionado. Não deu em outra, fui a procura do livro, interessado por descobrir as tais "Confissões" que - segundo ele - mudaram sua vida. Posso garantir que eu não esperava me surpreender tanto, até que de fato tive o famoso livro ao alcanse da minha faminta sede por descobertas.
Mas não foi tão fácil nem rápido. Tanto que eu poderia escrever um livro sobre minha saga a procura de Confissões ao Mar. Algum tempo mais tarde, descrobri que sua 1ª edição havia esgotado. Mas até que de fato eu pudesse vir a entender que era impossível encontrar um exemplar a venda, corri foi muito a sua procura em todo o tipo de livrarias e sebos.

Prossigo então, confirmando a excelência do conteúdo literário e mais que isto, conteúdo moral. Porque ao meu ver, dizer apenas que Confissões ao Mar é o melhor livro de seu gênero, não basta. Afinal, ele muda a vida das pessoas, ele emociona, ele... Ele leva quem o lê a repensar sobre continuar com os "padrões, rótulos, crenças e verdades" quais muitos de nós conciêntes ou não cutivamos, sem a percepção de que tanto pode nos machucar como destruir. Ou destruir ao próximo.

Não só pelo lindo românce que narra e facilmente encanta, como também pelo caos de uma trama que do início ao fim discorre cheia da complexidade típica de nossas humanas confusões; em seus auges; atingindo desde os pontos máximos das emoções até os mínimos tons de sentimentos, posso classificar a obra como exato-retrato-literal da alma humana. Isto porque descreve fielmente detalhes que um bom leitor questiona. Coisas tão minhas, que chegam a ser de todos. De todos os que tem a capacidade de compreender ou melhor, a coragem de se lançar ao risco de sofrer até enfim visualizar a importância de aceitar o que a vida nos impõem, antes do arrependimento pelo que se perdeu surgir devastando o peito. Inclusive creio que esta é uma das grandes lições da vida - na minha pelo menos - e que muito felizmente encontrei retratada no livro, descrita de uma forma estranhamente original. Já o li bem mais de uma vez. E não poderia ser diferente, porque a história diz sobre algo muito importante - o que pessoalmente vi destacar: os sentimentos. Contidos e manipulados. Estes, os mesmos que também podem ser sintomas definidos pela palavra familiar "amor"... Na intensidade inconstante das surpresas do coração e da mente. Digo, esses são alguns dos aspectos que junto com Matheus - o protagonista da história -, inevitavelmente vão sendo trabalhados ou mesmo transformados em quem lê as confissões feitas ao mar pelo garoto Mateus. Com mais o direito a algumas pausas para respirar, refletir e até chorar, o livro conta com uma força poética que além de encantar, detem as comparações intimas do leitor com os personagens. E no fim... Ah, não vou contar.

Espero que o máximo de pessoas tenham oportunidade de conhecer todo conteúdo da obra de Kadu Lago, pois é graças a livros como Confissões ao Mar que a literatura torna-se a cada dia mais uma arte em ascenção.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz-me o que vibra.

Seguidores